Diocese out 18, 2017

80 anos da morte do primeiro Bispo da Diocese de São Carlos

80 anos da morte do primeiro Bispo da Diocese de São Carlos

Por Sidney Prado – Assessoria de Comunicação da Diocese de São Carlos

Com informações da PASCOM da Capela Santo Antônio de Gurapuã

A Pastoral da Comunicação da Capela  de Santo Antônio, no distrito de Guarapuã , comunidade pertencente  a Paróquia Divino Espírito Santo localizada  na cidade de Dois Córregos , fez memória no último dia 15 de outubro dos 80 anos da morte do primeiro Bispo da Diocese de São Carlos.

Confira na íntegra o texto:

Há 80 anos, morria em São Paulo Capital, D. José Marcondes Homem de Mello, primeiro Bispo da Diocese de São Carlos

Em 15 de outubro de 1937, data que homenageia os professores, às 4:30 da manhã, com 77 anos, enfraquecido pelo trabalho árduo e pela doença, falecia em São Paulo, Capital, na casa de sua irmã, na rua Albuquerque Lins, o primeiro Arcebispo de Belém do Pará e primeiro Bispo da Diocese de São Carlos.

“Os dias do valente soldado de Cristo e de sua Igreja terminavam nesta terra, para receber o prêmio de suas virtudes e dos seus zelosos e apostólicos serviços sacerdotais e apostólicos”- Livro Tombo nº. 1 – Página 62 – da Paróquia de Santo Antônio de Pádua – Itirapina.

O ‘mestre’ como foi chamado pelo primeiro Arcebispo Metropolitano de São Paulo, D. Duarte Leopoldo e Silva, em discurso proferido por ocasião de Jubileu de Prata Episcopal de D. José Marcondes, e que sempre será lembrado pela dedicação com que incentivou a criação de escolas e a educação, não poderia ter deixado esta terra em outra data. Partir num 15 de outubro, dia do Professor, foi-lhe a justa homenagem feita pelo céu.

O dia do Professor é comemorado em 15 de outubro porque é a data que foi enterrada a grande mística e doutora da Igreja, Santa Tereza d’Avila (em 1582). Tereza foi reformadora do Carmelo na Espanha, no século XVI e é a padroeira de todos os professores do mundo. Ela também possui uma curiosidade: no ano que ela faleceu, o Papa Gregorio XVIII tinha decretado uma supressão de 10 dias no calendário juliano para ajustá-lo, já que tinha problemas, passando a chama-lo de calendário gregoriano (que usamos até hoje).

Ao dia 4 de outubro, o Papa tinha decretado que se seguiria o dia 15 de outubro (suprimindo os dias de 5 a 14 daquele mês). Tereza foi enterrada no dia 15. E como 4 de outubro já pertencia ao grande São Francisco de Assis, o Papa ao canoniza-la, decretou que sua data seria o dia 15. O Papa Paulo VI a proclamou DOUTORA DA IGREJA, um título de grande honra dado a pouquíssimas pessoas, por sua grande inteligência e sagacidade e por isso mesmo, ela seria a padroeira dos professores do mundo.

Partir ao céu tendo como acolhida a grande Tereza de Jesus (ou Tereza d’Avila) é um fato de honra para qualquer um e uma homenagem justa do céu a quem – nos alvores da Diocese – se esmerou por aumentar o nível intelectual de todos e a implantar uma igreja com raízes em gente esclarecida e solidária.

(Este texto faz parte do livro que está sendo escrito sobre a criação da Diocese de São Carlos e seu primeiro Bispo – autores Padre Paulo Dalla Dea, Padre José Donizeti de Oliveira e Jornalista Ignez Lobo)

Copyright ©2018. Todos os direitos reservados.