Ângelus: Papa explica parábola de Jesus sobre a videira e os ramos

0
916

Da janela do Palácio Apostólico, o Papa Francisco saudou a multidão de fiéis presentes Praça São Pedro para a oração do Regina Coeli, neste V Domingo da Páscoa, 3. No Evangelho de hoje Jesus declara ser a videira e os discípulos os seus ramos. Segundo o Papa, desta forma, Jesus afirma que mesmo quando não estará fisicamente presente no meio deles, eles poderão ficar unidos a Jesus num novo modo, e assim dar muito fruto.

“Jesus é a videira, e através d’Ele – como a seiva da árvore – passa aos ramos o próprio amor de Deus, o Espírito Santo. Nós somos os ramos, e através desta parábola Jesus quer fazer-nos perceber a importância de permanecer unidos a Ele. Os ramos não são autossuficientes, mas dependem totalmente da videira, na qual se encontra a fonte da sua vida”, disse o Papa.

Francisco explicou que, com os cristãos, acontece da mesma forma, pois por meio da Igreja, cada fiel fica em “comunhão vital com Cristo”. No entanto, para que isso aconteça, é necessário manter-se fiel ao Batismo e crescer na intimidade com o Senhor mediante a oração, a escuta e a docilidade à sua Palavra, a participação aos Sacramentos, especialmente, à Eucaristia e à Reconciliação.

Segundo o Papa, a íntima unidade com Jesus possibilita a vivência dos dons do Espírito Santo que, conforme escreve São Paulo, são “amor, alegria, paz, magnanimidade, benevolência, bondade, fidelidade, mansidão, domínio de si”.

“É a partir destas atitudes que se reconhece um cristão, tal como, dos frutos se reconhece a árvore”, disse o Papa Francisco que destacou os frutos da bondade, da caridade e da paz que os cristãos podem levar ao mundo amando os mais pobres e aqueles que estão em sofrimento.

Após a oração do Regina Coeli o Papa Francisco saudou os diversos grupos presentes na Praça, provenientes da Itália e de tantos outros países. Recordou a proclamação, neste sábado, 2, em Turim, norte de Itália, do Beato Luigi Bordino, leigo consagrado da Congregação dos Irmãos de São José Cottolengo. Luigi Bordino dedicou a sua vida aos doentes, sobretudo aos mais pobres.

O Santo Padre destacou ainda a Jornada pelas crianças vítimas de violência que se celebra neste domingo, 3; pediu a todos os fiéis para rezarem por ele e desejou um bom domingo e um bom almoço.

Rádio Vaticano

        

Deixe uma resposta