Em coletiva, bispos destacam Tema Central: Reforma Política e eleições da CNBB

0
515

A primeira coletiva de imprensa da 53ª Assembleia Geral da CNBB, na quarta-feira, 15, trouxe alguns dos temas mais relevantes que serão discutidos pelos bispos ao longo do encontro anual: o tema das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, a Reforma Política e o processo das eleições da CNBB.

Participaram desta primeira coletiva, o arcebispo de Porto Alegre (RS), dom Jaime Spengler, pela Comissão para o Tema Central, o bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG) e presidente da Comissão para Acompanhamento da Reforma Política, dom Joaquim Giovanni Mol Guimarães e o arcebispo de Vitória da Conquista (BA), dom Luiz Gonzaga Silva Pepeu.

Sobre o Tema Central, dom Jaime destacou o papel fundamental da assembleia de rever as diretrizes atuais em vista do próximo quadriênio, de 2016 a 2019. Para o arcebispo esta será a “tarefa principal e fundamental dessa assembleia”.

Dom Jaime explicou também a proposta das diretrizes, que são, antes de tudo, indicações gerais para a ação evangelizadora da Igreja, indicações estas que servirão de ajuda e auxílio para as Igrejas locais em suas iniciativas pastorais.

Acerca das eleições que irão ocorrer durante a assembleia da CNBB, dom Luiz enfatizou que esse processo acontece em meio a diversas realidades importantes para a Igreja no mundo e no Brasil, como o Ano da vida Consagrada, o Ano da Paz proclamado pela CNBB e a celebração dos 50 anos do Concilio Vaticano II. O arcebispo explicou em breves palavras como funcionará o processo eleitoral para a nova Presidência da CNBB e dos presidentes das 12 Comissões Episcopais Pastorais. Neste ano, diferentemente dos dois últimos, as eleições serão realizadas a partir de um sistema desenvolvido exclusivamente para a CNBB, criado pelos técnicos da entidade.

Dom Joaquim Mol, o último bispo a se pronunciar, falou sobre o que pretende a Reforma Politica e esclareceu pontos acerca da participação da CNBB no movimento em vista dessa reforma. O bispo lembrou que a Conferência tem como “compromisso irrenunciável” o de colaborar para que o Brasil seja melhor, por isso a CNBB tem participado junto com outras organizações sociais deste movimento. Dom Joaquim reforçou aos jornalistas que a partir da Reforma Política o Brasil poderá ver alavancar outras reformas, como a da educação, a agrária e a judiciária.

Escrito por Elisangela Cavalheiro (A12)

Deixe uma resposta