Dezenas de voluntários confeccionaram o tapete de Corpus Christi em Araraquara

0
749
Pó de café, serragem, sal, tampinhas de garrafas, cal e areia foram alguns dos materiais utilizados

Com pouco mais de 300 metros de comprimento e três metros de largura, o tapete para o tradicional dia de Corpus Christi exigiu o empenho de muitos fiés da Igreja Sagrada Família, no Jardim Imperador, em Araraquara, que trabalharam pesado para levar às ruas símbolos e imagens que retratam o corpo de Cristo, a liturgia da Igreja, além da mensagem de paz.

Os voluntários, que acordaram por volta das 5h da manhã desta quinta-feira (4), utilizaram diversos materiais para dar cor e formas aos desenhos. Pó de café, serragem, sal, tampinhas de garrafas, cal e areia foram alguns dos materiais utilizados pela comunidade.

Ao todo, cerca de 250 voluntários trabalharam para confeccionar os tapetes tradicionais na igreja Católica e que há três anos são atração na Paróquia Sagrada Família.”Este ano nós optamos por trabalhar o ano da paz, por isso alguns desenhos tem essa temática”, explica Samir Silva, pároco da igreja.

Um dos responsáveis pela escolha dos desenhos foi o artista plástico Anderson Gianetti, de 46 anos. “Por meio do convite de uma amiga que faz parte da paróquia eu comecei a participar. Sempre gostei de fazer isso, até porque já fazia na [igreja] Matriz. Peguei algumas experiências com amigos de Matão e tentei aplicar um pouco do meu conhecimento aqui”, conta ele.

Marcos Leandro/Tribuna Araraquara

Fieis trabalharam pesado para levar às ruas símbolos e imagens que retratam o corpo de Cristo, a liturgia da Igreja, além da mensagem de paz (Marcos Leandro/ Tribuna Araraquara)

Trabalho em equipe
O resultado foi um trabalho conjunto de membros de pastorais, movimentos e fieis da Igreja, que há um mês já se dedicavam à coloração dos materiais utilizados.

Para Márcia Azevedo, 46, uma das voluntárias, o trabalho da confecção dos tapetes mostra a unidade da comunidade em prol da mensagem da Igreja.

“É uma tradição e que motiva muito esse trabalho em equipe. A gente percebe uma unidade em todas as equipes e para mim é um trabalho bastante gratificante”, diz Márcia.

A tradição religiosa também é presente na família Azevedo. A sobrinha de Márcia, Bárbara Azevedo, 17, é membro do grupo de jovens da Igreja e já participou outras vezes do dia de Corpus Christi.

“Esse é o segundo do nosso grupo de jovens na celebração. Não é apenas um tempo que passamos com os nossos amigos, que também estão ali ajudando, mas é um momento que dedicamos para Jesus que vai estar ali passando”.

Com tantas pessoas correndo contra o tempo para conseguir entregar o ornamento antes das 16h, horário marcado para que os fiéis adorassem ao Santíssimo Sacramento, o casal Neide e Sérgio Batista, 73 e 69, decidiram contribuir com os trabalhos oferecendo um café reforçado aos voluntários.

“Nós temos problemas de coluna e não podemos abaixar para ajudar a fazer os tapetes. Então a forma que encontramos foi fazer um ‘cafezinho'”, justifica Neide. “Onde todos dão uma pequena parcela de contribuição as coisas fluem”, completa o marido.

A procissão, que tem início após a missa de Corpus Christi, às 17h, deve reunir aproximadamente 2 mil de pessoas, que passarão pela Rua Tenente Brigadeiro Faria Lima, Avenida Carlos Nascimento e, por fim, Rua Anunciato Rossi.

“Quero manter uma tradição que é da Igreja Católica. No dia do Corpo de Deus, a tradição Católica nos convida a confeccionar um tapete para Jesus passar e para Deus nós temos sempre que preparar o melhor”, finaliza o pároco Samir.

Fonte: Tribuna Impressa Araraquara

Deixe uma resposta